Arquivo de Uncategorized - Tiago Faria

Category Archives for Uncategorized

Queres criar um blog - descobre os 7 erros cometidos por bloggers iniciantes

Queres Criar um Blog? Descobre os 7 Maiores Erros que Deves Evitar para Garantires o Sucesso

Neste vídeo vais descobrir quais são os 7 principais erros cometidos por bloggers iniciantes que não lhes permitem atingir os seus objetivos e, consequentemente, os fazem desistir prematuramente.

Quero muito que evites que isso aconteça e, ao aprenderes quais são esses erros, vais evitá-los no futuro quando criares o teu blog ou, se já o criaste, vais evitá-los de todo e vais garantir que te posicionas para atingires os grandes objetivos.

Vais estar no caminho certo para começares a obter o retorno que desejas, o tráfego que desejas, e depois conseguires criar um negócio à volta da audiência que tu criaste.

Se preferires ver este artigo em formato vídeo ou ouvir em formato podcast, escolhe uma das opções abaixo:

Erro #1: Não Focar no Conteúdo do Blog

O primeiro erro que tenho observado mais é as pessoas focarem-se demasiado no nome, no domínio, no design do site e no tema que têm de escolher antes sequer de arrancarem e de criarem o primeiro artigo para o o seu blog.

É importante pensares nestas coisas, mas não ao início. Ao início, o teu grande foco deve estar puramente na criação de conteúdo

Eu sugiro que cries o teu primeiro desafio de 90 dias, "feches as cortinas", e que te dediques a 100% a criar conteúdo e a responder às perguntas que as pessoas já estão a fazer ativamente no Google.

A primeira razão é porque demora 6 a 12 meses de criação de conteúdo consistente e constante para te posicionares como um parceiro do Google. Demora entre 6 a 12 meses até o Google começar a confiar em ti. Nos primeiros artigos, as pessoas que vão ler vão ser apenas os teus familiares e os teus amigos...

E sabes que mais? Quase ninguém vai ver a tua homepage. Aquela que demoraste séculos a tentar torná-la "bonita", "atraente" e com um design irrepreensível.

Quando as pessoas encontram o teu conteúdo no Google - por exemplo, um artigo que tu criaste sobre “como fazer uma gravata” - as pessoas vão entrar no artigo em si e, muitas das vezes, não vão ver sequer a tua homepage.

Portanto, não te preocupes de todo com o design, não fiques muito preso nesta fase de paralisia de análise, não sejas perfecionista.

Eu sei que há muita gente que tem essa ideia de que são perfecionistas, mas, no fundo, isso é algum tipo de insegurança e que só é ultrapassado através da "força bruta" de criação de conteúdo.

Aquilo que recomendo é: cria o teu blog rapidamente, com um tema simples e gratuito. Não te preocupes muito com o design e começa simplesmente a criar artigos e a responder a perguntas.

Erro #2: Não Fazer Pesquisa de Palavras-Chave

O erro número 2 é criar conteúdo sem te preocupares com a forma como as pessoas andam a pesquisar no Google sobre o tópico específico. Ou seja, é não fazeres a pesquisa de palavras-chave para escolheres tópicos.

Vais falar sobre um tópico específico, mas depois tens que descobrir como é que as pessoas estão a pesquisar sobre esse tema no Google, que palavras-chave é que estão a usar para fazerem as pesquisas específicas.

Por exemplo, se eu perguntar no Google “como fazer uma gravata?”, eu quero receber respostas exatamente à minha pergunta. É importante saberes quantas pessoas pesquisam por uma palavra-chave específica, de que maneira pesquisam por essa palavra específica e, depois, qual é o grau de dificuldade dessa palavra-chave.

Este último ponto é importante quando estás a começar: qual é a tua concorrência que apareceria na primeira página, qual é a autoridade do domínio dessas páginas para perceberes se facilmente conseguirias aparecer na primeira página ou não.

Eu sugiro que tu te foques inicialmente nas palavras-chave que têm um volume de pesquisa interessante e um grau de dificuldade baixo, para começares a ganhar o teu ímpeto. 

Assim, vais ganhando primeiras páginas ou segundas páginas em várias palavras-chave e, aos poucos, vais aumentando a tua autoridade de domínio. Mais tarde, quando já tiveres maior autoridade de domínio, já podes atacar aquelas palavras-chave com um grau de concorrência mais elevado.

É mesmo muito importante que não cries conteúdo só por criar. O que é que te interessa criares uma peça de conteúdo se ninguém vai estar a consumir esse conteúdo e a receber o valor que tu tens para partilhar com o mundo?

Erro #3: Não Focar na Audiência

O erro número 3 é não te focares puramente na tua audiência. Em vez disso, muita gente foca-se no que é que quer obter com o blog e pensa: “eu quero criar uns conteúdos que é para levar as pessoas a entrarem em contacto comigo e para comprarem os meus produtos.”

Mas, ao início, não te podes preocupar de todo com isto porque tu tens de primeiro criar uma audiência de pessoas que começam a conhecer-te, a gostar de ti e a confiar em ti.

Ao ajudares as pessoas por antecipação através do teu conteúdo, sem pedir dinheiro em troca, estás a demonstrar que és realmente capaz de as ajudar a alcançar os seus objetivos ou ultrapassar os seus problemas.

Os teus primeiros 90 artigos de blog têm de ser simplesmente a responder às perguntas que as pessoas fazem no Google, a fornecer a melhor resposta possível que existe no Google para essa pergunta, mostrar a tua autoridade, mostrar a tua capacidade de ajudar as pessoas e ajudá-las verdadeiramente a resolver um problema específico.

Apenas assim será possível fazer com que as pessoas comecem a confiar muito em ti, e estejam mais predispostas a considerar os teus produtos ou serviços.

Portanto, quando começas o teu blog não deves pensar nas tuas necessidades e nos teus objetivos. Em vez de pensares “como é que eu vou sacar dinheiro deste conjunto de pessoas?”, vais ter de olhar para esse conjunto de pessoas e pensar:

“Como é que eu vou ajudá-las a alcançarem os seus objetivos mais rapidamente para fazer com que elas confiem em mim e, depois, possa sugerir produtos ou serviços?”

O teu grande foco deve estar na tua audiência, e deves focar-te 100% nas pessoas que vais servir.

Erro #4: Não Escolher um Nicho de Mercado Específico para o Teu Blog

O erro número 4 é não escolher um nicho de mercado específico, ou seja, quereres criar tópicos muito genéricos e, depois, espalhares-te ao comprido porque criaste um blog novo sem autoridade alguma e escolheste um nicho onde já existe muita concorrência.

Nesses nichos genéricos já existem demasiados sites com muita autoridade que podem criar conteúdo geral porque já têm uma autoridade de domínio muito forte e, portanto, não se importam com a concorrência.

Se quiseres começar o teu blog com um tópico muito geral é uma receita para o desastre.

O melhor é escolheres um avatar muito específico e escolheres servir esse conjunto de pessoas muito específico, como, por exemplo, “perder peso para mulheres com mais de 55 anos que entraram na menopausa”.

Esse grupo de pessoas vai identificar-se muito mais facilmente contigo do que com alguém que cria um site que tenha genericamente “como perder peso”. As pessoas vão-se sentir muito mais identificadas contigo.

Apesar de seres pequeno e teres muito pouco conteúdo ainda, vão começar a confiar em ti. Depois de já teres essa audiência bem engajada e a confiar em ti, podes, mais tarde, expandi-la um pouco mais.

O melhor é focares-te primeiro e depois, mais tarde, expandir quando começares a aumentar a tua autoridade de domínio.

Erro #5: Criar Títulos e Descrições Genéricos e Pouco Apelativos

O erro número 5 é esquecer a importância de criar um título e uma descrição apelativa

Os resultados de pesquisa no Google têm sempre um título e uma descrição, e tu podes manipular esse texto usando o plugin de WordPress "Yoast SEO".

O teu título não pode ser uma coisa muito geral - como, por exemplo, “fazer nó de gravata” – que não capta a atenção de ninguém, não há um benefício muito claro e não há um toque de curiosidade que leve a pessoa a clicar.

Pensa sempre neste aspeto: tens de fornecer um benefício muito grande à pessoa para ela saber o que é que vai ganhar ao ler o teu artigo e tens gerar um toque de curiosidade para fazer com que a pessoa queira saber mais. É importante diferenciares o teu título e a tua descrição de todos os outros que aparecem no Google.

Não te esqueças da importância de um título e de uma descrição apelativa, não deixes isto para depois. 

Se não os personalizares, o Google vai escolher uma parte aleatória do teu texto e pôr na descrição do teu resultado de pesquisa. Não deixes que isso aconteça, controla a maneira como o teu blogue é exposto.

Erro #6: Ignorar o SEO do Teu Blog

O erro número 6 é esquecer o SEO, a otimização do teu blogue para os motores de busca (ou seja, para o Google principalmente).

No fundo, tudo o que precisas é de organizar o conteúdo de acordo com aquilo que o Google exige para as primeiras páginas e facilitar a leitura dos spiders, aquelas "aranhas" do Google que entram no teu site para lerem todo o teu conteúdo e ver que links é que existem de um lado e do outro.

Tens de pensar não só no lado humano, no que é que o teu avatar deseja, mas também tens de te preocupar com esta parte de otimização para o Google.

O que é que o Google quer que tu mostres, o que é que o Google exige para a primeira página, como é que podes facilitar a leitura do teu site, como é que podes facilitar a leitura entre os links do teu site, e como é que podes criar o teu sitemap para mostrares ao Google qual é o mapa do teu site.

É muito simples, não precisas que complicar muito. O SEO não tem de ser um bicho de sete cabeças.

Vê neste artigo como fazer SEO de maneira simples e eficaz.

Erro #7: Não Usar o Melhor Site para Criar um Blog

Normalmente, os bloggers iniciantes escolhem plataformas  como o Wix, Blogspot, ou Webnode.

Esse tipo de plataformas de criação de blogs não são propriedade tua, ou seja, não és dono nem senhor do teu site, da tua casa.

Estás a pagar para alugar o espaço em sites que podem acabar. Por exemplo, se o Wix terminar ou se for à falência, tu perdes o teu site completamente.

Aconselho vivamente que escolhas o WordPress.org. É uma plataforma de código aberto e tudo o que criares lá é propriedade tua. Escolhes o teu próprio servidor em alojas lá o teu conteúdo.

O WordPress é melhor amigo do Google. A vasta maioria dos melhores sites do mundo são criados em WordPress, portanto, é uma plataforma de confiança do Google.

Defendo sempre que nós tenhamos ativos próprios como um site em WordPress.org e a nossa lista de emails.

Preocupa-te, então, em criar muito conteúdo, em criar uma audiência, e em gerar tráfego para o teu blog.

Só depois é que te deves preocupar com os passos seguintes: criar uma relação com a tua audiência (através do email marketing), e monetizar essa audiência (através dos teus produtos ou serviços).

Preparado para criar o teu blog?

Vê neste artigo como criar um blog passo-a-passo.

Um abraço,

Tiago "aprende com os erros" Faria

Como Fazer SEO para YouTube: Segredos de 8 Anos a Trabalhar na Google

Neste artigo vais aprender qual é que é o truque para começares a obter mais visualizações, apareceres mais vezes na primeira página de resultados de pesquisa, e fazer com que o YouTube comece também a sugerir os teus vídeos a mais pessoas.

Estes são os truques que aprendi enquanto trabalhei na sede europeia da Google em Dublin, Irlanda.

Falei com vários YouTube Partner Managers, aqueles especialistas que acompanham os maiores produtores de vídeo no Youtube para otimizá-los e para expô-los a cada vez mais pessoas.

E são exatamente estes truques e estas técnicas que eu estou a implementar agora no meu canal de YouTube para criar vários ativos que me vão trazer tráfego durante muito tempo e fazer com que o meu canal comece a crescer cada vez mais rapidamente.

O Monstro que é o YouTube

O YouTube é o segundo maior motor de busca do mundo.

Os vídeos que tu criares hoje vão ter o potencial de serem vistos daqui a um ano, daqui a seis meses, ou daqui a cinco anos.

Todos os ativos que tu fores criando, se fizeres uma pesquisa e uma análise e pesquisa de palavras-chave bem feita, vão trazer tráfego constante, ao contrário do trabalho que tu tens nas redes sociais, onde tens de repetir todos os dias, sem poder sair dessa “roda do rato”.

Existem mais de 2 biliões de utilizadores no YouTube, pelo que a oportunidade é imensa e quase infinita. Mesmo que vejas que já existe um canal na tua área, não faz mal, existe oportunidade para toda a gente: o YouTube é extremamente abundante.

Tudo o que tens de fazer é ser consistente a criar o teu conteúdo, responder às perguntas que as pessoas estão a fazer ativamente na internet (no Google e no Youtube), e seguir um processo que vai fazer com que o algoritmo do YouTube se apaixone por ti.

Comecemos então pelo ponto mais importante para quem está a dar os primeiros passos.

Pesquisa de Palavras-chave para YouTube

Quando tenho uma ideia de um vídeo que quero fazer, ponho-me sempre no lugar da minha audiência.

Por exemplo, no vídeo que criei sobre SEO para Youtube, fiz uma análise de palavras-chave e vi que as pessoas estão a pesquisar por “como fazer SEO para Youtube”: 

Como tal, incluí essa palavra-chave exata dentro do meu título e também na descrição do vídeo.

Tens de ter sempre em atenção onde é que o utilizador está mentalmente, em que ponto é que ele está na sua situação atual, e o que é que ele pesquisa online e como o pesquisa.

Se não refletires nos teus vídeos as palavras mais pesquisadas no YouTube, vai ser difícil elas encontrarem-te e, dessa forma, vais estar a criar conteúdo “para o boneco”.

O que tu queres é criar peças de conteúdo que sejam encontradas constantemente e consistentemente nos próximos meses para atrair tráfego, e para que o YouTube te exponha a mais pessoas.

Tens de ter sempre em mente o que é que a pessoa pesquisa e também o porquê de ela pesquisar por uma palavra específica. Tens de te colocar no mindset dessa pessoa, perceber o que é que ela alcançar com essa pesquisa, ou seja, tens de saber qual é a intenção da pesquisa.

Para confirmares se o conteúdo que tu vais criar vai responder à intenção que a pessoa tem, uma coisa que podes fazer é pesquisar no YouTube pela palavra-chave específica e ver os primeiros vídeos que aparecem.

Dá atenção ao conteúdo, quais é que são as miniaturas utilizadas, quais são os títulos usados para veres, no fundo, o que é que o YouTube quer que tu cries.

O teu objetivo será então responder a essa pesquisa com mais qualidade, de maneira mais completa e mostrando o teu ponto de vista único.

Como Encontrar as Palavras Mais Pesquisadas no YouTube

A ferramenta de pesquisa de palavras-chave que uso e recomendo é o KW Finder. Como alternativa, podes também usar o Ubersuggest (um pouco mais limitado e menos intuitivo).

Consegues ver quantas pesquisas mensais existem no Google que, no fundo, são semelhantes àquelas que são feitas no YouTube.

Não é preciso estares a comprar uma ferramenta específica para YouTube (como o TubeBuddy), basta usares uma ferramenta que mostre qual é que é o volume de pesquisa mensal que existe e qual é que é o volume de concorrência que existe para essa palavra-chave.

Isto dá-te uma ideia de onde é que te deves focar e criar conteúdo que responda às perguntas que as pessoas fazem mais vezes e, dessa maneira, apareceres com mais frequência no topo das pesquisas do YouTube.

Essa é a primeira coisa que tens de saber, a pesquisa de palavras-chave.

Fatores de Ranking SEO para YouTube

marketing nas redes sociais, marketing redes sociais, como fazer marketing nas redes sociais, redes sociais como ferramenta de marketing, estratégia redes sociais, conteúdos para redes sociais

Mas, agora, tens de perceber o que é que o YouTube quer que tu faças.

Tens que entender quais é que são os fatores de ranking que contribuem para que tu apareças mais acima nos resultados de pesquisa, mas também apareças mais vezes nos vídeos sugeridos, pois isso é o que vai fazer com que o teu canal cresça exponencialmente.

Ao início, deves focar-te puramente em responder às perguntas das pessoas, ou seja, na pesquisa de palavras-chave e focar-te em aparecer nos resultados de pesquisa do YouTube.

Depois, quando começas a ter mais tração e a perceber o que é que as pessoas gostam, o que é que o YouTube quer que tu mostres e cries mais, aí começas a preocupar-te com “como é que eu posso fazer com que o YouTube sugira mais os meus vídeos?”

Isto será mais à frente. Agora, no início, o que interessa é seres um parceiro de pesquisa, e apareceres em todas as pesquisas que as pessoas fazem no YouTube relacionadas com o teu nicho de mercado.

Quais são então os fatores de ranking mais importantes para o YouTube?

Existem 4, e são muito simples de lembrar:

1) Taxa de Clique

O primeiro é a taxa de clique, o CTR - ("Click Through Rate").

Imagina que o teu resultado aparece na quarta posição. As pessoas olham para o título do vídeo, olham para os primeiros 120 caracteres da descrição do teu vídeo e, depois, vão olhar também para a miniatura (a imagem de capa do teu vídeo). 

O que tens de fazer é otimizar cada um desses elementos para garantir que atrais a atenção das pessoas e que elas vão clicar no teu vídeo e não nos outros.

Tens de criar um título persuasivo, que seja emocional, que faça com que as pessoas se movam, que tomem a decisão de clicar no teu e não nos outros vídeos que aparecem nos resultados.

Tens de combinar um benefício forte – o que é que a pessoa vai ganhar ao clicar no teu vídeo - com um toque de curiosidade, para fazer com que ela tenha que saber mais.

Depois, nos primeiros 120 caracteres que aparecem da descrição do teu vídeo nos resultados de pesquisa, tens de reforçar mais porque é que as pessoas devem clicar no teu link.

Nessa primeira frase deves ser também persuasivo, deves fazer com que as pessoas se sintam mais emocionalmente envolvidas com o que tu tens para dizer – isto, no fundo, são técnicas de copywriting que se aprendem a treinar muito, a fazer muito, a experimentar muito.

A miniatura tem de ser atrativa, tem de ter um contraste diferente dos outros resultados que aparecem e tem de gerar também um pouco de curiosidade.

Como podes ver pela miniatura do vídeo acima, eu faço os possíveis para mostrar um grande benefício, um toque de curiosidade e fazer um contraste de cores para me destacar nos resultados de pesquisa.

2) Engajamento

O segundo fator de ranking é o engajamento, ou seja, a interação que as pessoas têm com os teus vídeos.

O YouTube olha para os “gostos” que os teus vídeos têm, as partilhas, olha para os comentários, e para quantas subscrições tens em cada um desses vídeos. 

Isso são tudo sinais positivos de interação que mostram que o teu conteúdo está a ser valioso. Essa é uma das maneiras para o YouTube avaliar a qualidade do teu vídeo.

Por outro lado, os “não gostos” dão o sinal oposto. Neste momento já me começam a aparecer um bocadinho mais, o que é bom sinal: é sinal de que já estou a mover uma massa crítica e a colocar as minhas posições extremadas que as pessoas ou gostam ou não gostam, o que é ótimo.

Clicar no botão de “não gosto”, no botão de retroceder ou noutros vídeos que não o do teu canal porque o teu vídeo não interessou são sinais negativos para os quais o YouTube está constantemente a monitorizar.

Uma dica para garantires que as pessoas interagem e veem o teu vídeo até ao final é fazer uma pergunta no início do teu vídeo e pedir interação. Dizer, por exemplo, "se quiseres saber mais sobre este tópico, por favor, diz “sim” nos comentários abaixo".

3) Tempo de Visualização

O terceiro fator de ranking importante no YouTube é o tempo de visualização.

O YouTube vai monitorizar isto muito de perto para evitar conteúdo spam, ou seja, o YouTube quer confirmar que as pessoas ficam muito tempo a ver o teu vídeo e não desistem logo nos primeiros 30 segundos.

É importante manteres as pessoas atentas ao teu vídeo até ao final e dando aqueles teasers do que vem a seguir, para garantir que as pessoas ficam o mais tempo possível no teu vídeo.

O YouTube olha para a duração média de visualização do teu vídeo e também vai ver qual é a percentagem de pessoas que terminaram o teu vídeo, assim como a percentagem de pessoas que ficaram até que ponto do teu vídeo.

Já sabes, deves fazer um teaser do que vais falar no final, e evitar aquelas introduções muito longas com coisas inúteis que não acrescentam qualquer valor.

Deves ir logo straight to the point, dizer o que é que a pessoa vai ganhar com o vídeo, fazer uns teasers, pedir interação, entregar muito valor e, depois, entregares no final o tal teaser que prometeste partilhar.

4) Duração da Sessão

O quarto fator de ranking do YouTube é a duração da sessão, ou seja, se as pessoas abandonam o YouTube depois de verem um vídeo teu.

Tiveres um link que faz com que as pessoas saiam do YouTube, isso pode prejudicar o teu alcance.

No início do teu canal não deves focar-te em tentar trazer logo as pessoas para o teu site ou para o teu lead magnet ou para os teus produtos: deves fazer o máximo possível para que as pessoas se mantenham no ambiente do YouTube porque é isso que o YouTube quer.

Quer que as pessoas vejam cada vez mais vídeos porque isso aumenta o potencial de elas verem mais anúncios (que é como o Youtube faz dinheiro).

Podes criar, por exemplo, as listas de reprodução. Estas são muito importantes pois fazem com que, quando o teu vídeo terminar, comece logo outro e as pessoas mantêm-se no teu canal, o que é ótimo para ti e para o YouTube.

Podes fazer ecrãs finais em que aparecem cartões com o próximo vídeo e a pessoa pode clicar para ver mais.

Podes também incluir muitos links na descrição para outros vídeos teus ou de outras pessoas para garantir que as pessoas se mantêm no YouTube, e continuam a interagir com os teus vídeos.

Estes são os quatro fatores mais importantes para teres em conta no YouTube.

Como Optimizar os Teus Vídeos no YouTube

Como optimizar videos do YouTube

Agora que já sabes quais são os fatores críticos, vais focar-te no que tens de fazer para otimizares o teu vídeo para garantir que o algoritmo do YouTube se apaixona por ti e pelos teus vídeos.

São cinco pontos fulcrais em que te deves focar:

1) O Título do Teu Vídeo

O primeiro é o título: tens de incluir a palavra-chave principal, aquela em que vais focar a tua atenção total, o mais perto possível do início do teu título. 

Deves ser persuasivo, a tua comunicação deve ser emocional, deve tocar num problema, num desejo específico das pessoas.

Deves focar-te também no FOMO ("Fear of Missing Out"), ou seja, o que é que a pessoa pode estar a perder se não vir o teu vídeo, pode estar a cometer algum erro, pode não saber um segredo - isso é muito potente e deves usar e experimentar em diversos vídeos e vais ver que vais obter resultados com isso.

Dar um toque de curiosidade também funciona muito bom. Tudo isto é copywriting, uma competência crucial para quem quer ter sucesso no seu negócio ou projeto online.

Tens de comprar livros de copywriting, ler muito e praticar muito, fazer muitos textos à mão, fazer muitos textos de vendas, criar muitos artigos de blog que façam com que as pessoas queiram ler o artigo todo.

É uma arte que se treina, não é nada muito por aí além, é só leres duas ou três técnicas e depois praticar muito.

2) A Descrição do Teu Vídeo

O segundo ponto para otimizares é a descrição do teu vídeo.

Tens um grande espaço, 5 mil caracteres disponíveis, quase um artigo de blog.

Aconselho-te a que tu escrevas o máximo possível, principalmente quando crias vídeos para aquelas palavras-chave com mais concorrência.

Deves criar um texto único que mostre o que é que a pessoa pode ganhar, e que contenha a palavra-chave principal nos primeiros 120 caracteres, que são aqueles que aparecem nos resultados de pesquisa do YouTube.

Também tens de incluir as palavras-chave alternativas, ou seja, aquelas que complementam a tua palavra-chave principal, que estão à volta do mesmo tópico, porque existem diferentes maneiras de as pessoas pesquisarem por um mesmo tópico.

Para as descobrires podes pesquisar no Google pela tua palavra-chave principal e ver quais são as sugestões de pesquisa que aparecem e quais é que são as palavras sugeridas

Adiciona todas porque, no fundo, vai dar uma ideia muito específica ao YouTube do que é que se trata o teu vídeo, e de que o teu vídeo é o mais completo de todos.

Não vale a pena incluíres todas as variações da mesma palavra, inclui apenas aquelas que são relevantes.

Adiciona também todos os links aos teus vídeos, escrevendo por exemplo: “para saberes mais sobre este tópico, clica aqui para veres mais um vídeo sobre isso”. Isto vai mantendo as pessoas interessadas em mais vídeos teus e dentro do ambiente do YouTube (que já sabes, é o mais importante).

3) Usa as Melhores Etiquetas para YouTube

O ponto número três para otimizares são as etiquetas (ou "tags" em Inglês). No fundo, as etiquetas são frases e palavras-chave que mostram qual é que é o tópico do teu vídeo.

Deves pôr todas as palavras-chave e temas e frases que sejam relevantes. Não vale a pena encheres de palavras-chave que não tenham muito que ver com o que tu estás a falar.

Deves também incluir essas etiquetas na descrição do teu vídeo. Obviamente que tem de ter lógica, tens de ter em atenção o humano que vai estar a ler, não deves incluir todas as variações com acentos e sem acentos. Apenas as que fizerem mais sentido porque isso tudo dá sinais de relevância ao YouTube.

Deves encontrar mais sugestões no Google, as sugestões de palavras-chave relacionadas, e incluí-las todas como etiquetas. Não vale a pena estares a fazer análise dos concorrentes, foca-te mais na relevância e no que é que o Google e o YouTube querem.

Aqui tens um limite de 500 caracteres, portanto, tens que ser o mais relevante possível. Não incluas etiquetas irrelevantes apenas porque têm muito volume de pesquisas.

4) Nomes dos Ficheiros do Vídeo e da Miniatura

O quarto ponto que tens de otimizar para o algoritmo do YouTube são os nomes dos ficheiros que tu vais fazer carregar no YouTube. 

Vais carregar o ficheiro do vídeo em si, assim como o ficheiro da miniatura. E aqui é importante incluir sempre a palavra-chave no nome de cada um desses ficheiros e não deixar aquelas numerações genéricas que aparecem sempre que gravas um vídeo.

Deves usar um nome como, por exemplo, “como-fazer-SEO-para-Yutube.png”, no caso do ficheiro da miniatura.

Deves garantir que a palavra-chave está incluída em todo o lado. Trata-se de um jogo de relevância, sendo que vais dando sinais ao algoritmo do YouTube que o teu vídeo é o mais relevante e completo, o que te vai ajudar a destacares-te nos resultados de pesquisa.

5) Miniaturas

O quinto ponto para otimizares são as miniaturas (ou os thumbnails, em inglês), que é o elemento mais importante para captares a atenção das pessoas. É aquele que aparece destacadamente por ser visual.

O que tu podes fazer é pesquisar a palavra-chave do teu tópico no YouTube e veres quais são os primeiros resultados que aparecem.

Repara no que é que os concorrentes estão a fazer naquelas miniaturas, que vídeos é que estão a aparecer nos primeiros resultados, o que é que está a atrair mais cliques, se estão a aparecer pessoas, se estão a aparecer pessoas a olhar para a câmara ou a apontar para o título, se aparecem imagens por trás, ou se aparece apenas texto.

Portanto, vê qual é que é o padrão e replica isso, tornando a tua miniatura mais única, refletindo a tua personalidade, e tentando criar um texto mais emocional, um texto que desperte mais curiosidade.

Tens de moldar o que está já a resultar e tornar o teu vídeo ainda melhor, mais criativo.

Tudo demora o seu tempo, pelo que precisas de criar dezenas, ou mesmo centenas de vídeos para ires descobrindo o que realmente funciona com a tua audiência.

Como Ser Recomendado pelo YouTube

É importante não te esqueceres que a tua audiência é o algoritmo do YouTube, mas também são as pessoas que vão ver os teus vídeos.São estas duas audiências que tu tens de tomar sempre em conta.


Não deves apenas olhar para o algoritmo do YouTube porque se as pessoas entrarem no teu vídeo e não virem qualidade, não encontrarem as respostas às suas perguntas, ou se a descrição estiver só carregada de palavras-chave muito aleatórias, não vai funcionar.


Tens de ter em consideração o lado humano porque as pessoas vão olhar para tudo isso e vão querer saber mais informação, vão querer clicar em outros vídeos. 


Tem sempre em atenção que deves criar vídeos com muita qualidade, que respondam às perguntas das pessoas, que mostrem o teu ponto de vista único. Não cries coisas muito aleatórias ou vídeos de spam ou com demasiados pitches de vendas.

Foca-te em criar conteúdo de qualidade, que é isso vai garantir que, independentemente das alterações de algoritmo do YouTube, tu vais ganhar pois estás sempre a focar-te no teu utilizador

E, como já leste neste artigo, o Youtube quer saber sempre muito do seu utilizador e da experiência que tem.

Também já sabes, o copywriting é a competência que te vai ajudar a crescer mais rápido porque as pessoas vão olhar para os teus títulos, para as tuas miniaturas, para as tuas descrições e vão-se sentir persuadidas a clicar no teu link e não nos outros.

Diria até que o copywriting é a competência crucial que vai fazer a diferença e fazer com que o teu canal cresça mais rapidamente.

Vamos lá criar?

Se tiveres alguma pergunta extra, diz-me nos comentários abaixo.

Um abraço,

Tiago "YouTuber" Faria

como lidar com stress e burnout com julia arndt

Como Lidar com o Stress e Evitar o Burnout com: Julia Arndt

O assassino silencioso.

O stress e a ansiedade no trabalho aparece de fininho...

Acompanha-nos durante uns tempos (por vezes durante anos)...

Acumula e acumula até ao ponto de não dar mais.

O famoso "burnout".

Muita gente não sabe o que é, ou se sabe, tem vergonha de o assumir...

como lidar com o stress e o burnout com julia arndt

Por medo do que os outros irão pensar.

Conheci dezenas de pessoas que passaram (ou passam) por isso e, infelizmente, é algo extremamente comum e pouco discutido.

Ora isso hoje vai acabar.

A convidada do 26º episódio d'O Podcast do Tiago Faria chama-se Julia Arndt, e ela é a fundadora da Blue Mountain Mindfulness.

A Julia é, tal como eu, uma ex-Googler (estivémos a trabalhar na Google durante o mesmo período de tempo!), é especialista em stress, mindfulness, e desenvolvimento pessoal.

Foram 55 minutos de conversa incríveis, onde falámos a um nível profundo sobre a sua fascinante história de origem, o seu burnout no trabalho, a criação da sua empresa, e dicas para gerir stress tanto para colaboradores como para empreendedores.

Nesta entrevista vai aprender:

  • 08.45: o início da sua carreira na Volkswagen e como aprendeu o que não queria na sua carreira
  • 14:15: a sua entrada na Google e o período de "encantamento"
  • 18:40: o momento em que começou a notar que algo não estava bem e que precisava de ajuda
  • 26:56: como a sua baixa por doença a incentivou a criar o seu próprio negócio de stress management
  • 32:35: como atraiu os seus primeiros clientes de forma natural
  • 34:00: os principais erros que cometeu no início da sua jornada como empreendedora, e que ilações retirou
  • ...e muito mais bombas de conhecimento!

Sem mais demoras, eis o vídeo:

Se preferir apenas ouvir este episódio, oiça a versão podcast:

Se gostou da entrevista, não se esqueça de dar um "gosto" e subscrever ao canal para ver futuros vídeos.

Ah e claro, "faça todos os sociais"

Se tiver alguma pergunta, dúvida, ou sugestão, por favor deixe um comentário abaixo.

Um abraço,

-Tiago "burn-in" Faria